Chamado atinge veículos ano/modelo 2016, 2017, 2018, 2019.

Foi anunciado na última quarta-feira, dia 04 de julho, o recall do Carnival ano/modelo 2016 a 2019. O motivo é um defeito a porta deslizante do veículo. A Kia está convocando todos os proprietários dos veículos, a realizarem um agendamento para o reparo gratuito em algumas concessionárias autorizadas. Se você é proprietário do veículo Carnival, acompanhe o artigo até o final e tire todas as suas dúvidas.

O que é um recall

Antes de passarmos as informações sobre o recall do Carnival, vamos explicar para você o que se trata. Um recall nada mais é do que a solicitação por meio da montadora para realizar algum reparo no veículo. Isso é muito comum entre os carros recém lançados.

Não importa onde seja o defeito, no câmbio, os freios, ou em qualquer uma das peças presentes no carro, nesse caso o defeito em questão é a porta deslizante. É importante que o proprietário leve o seu veículo para que danos maiores possam ser evitados. O valor do concerto fica por responsabilidade da montadora e não possui uma validade estipulada.

A montadora precisa comunicar sobre recall imediatamente aos seus proprietários quando detectado algum problema que interfira na segurança do veículo. É de responsabilidade da montadora, nesse caso a Kia, realizar a comunicação e o agendamento. Para isso, é necessário que a montadora comunique órgãos públicos, como o Procon e o Ministério da Justiça, dessa forma todos os proprietários estarão cientes o quanto antes sobre o problema, através dos meios de comunicação de massa. Além disso, é importante que o comunicado também esteja presente no site oficial da montadora.

A Kia não é a única a solicitar o recall, como dito anteriormente esse tipo de reparo é bem comum nos carros recém lançados, como exemplo, podemos citar a Ford, que convocou os modelos Focus, EcoSport e Fiesta para solucionar os problemas do câmbio automático Powershift que apresentou defeitos. A convocação ocorreu depois de vários clientes registrarem reclamações no Procon para que o órgão notifique a empresa, que solucionou o problema trocando a peça de todos os clientes.

Veja quais se o seu carro deverá comparecer ao recall

A convocação para a manutenção dos veículos de modelo Carnival é referente a todos que foram produzidos entre 17/06/2015 e 05/02/2018. Caso você tenha dúvida ou não saiba o ano de fabricação do seu veículo, você poderá se orientar pelo chassi, já que os convocados são aqueles que terminam de 11307 a 437433.

Conheça o motivo pelo qual a Kia solicitou o recall

De acordo com a montadora, o recall foi solicitado devido a um problema no software da unidade eletrônica de comando das portas automáticas deslizantes.

Foi notificado que algumas unidades do Kia Carnival não obedecem ao sistema instalado de reversão automática quando encontrado um obstáculo na rota do trilho da porta, ou seja, o software não consegue detectar quando há algum objeto ou pessoa localizada no trilho da porta.

Isso pode causar sérios problemas, já que a porta pode se fechar automaticamente, independente se há algo impedindo no trilho. A não correção desse problema pode acarretar a sérios danos físicos para os passageiros ou então a membros do corpo, como mão e pé que possam estar localizados nos trilhos.

No entanto, aqui no Brasil até agora não foi registrado nenhum caso de acidente dessa forma, segundo a Kia. É importante que todos os proprietários levem o seu veículo para solucionar o problema e evitar que algum acidente grave ocorra.

A montadora informou que o conserto é rápido e não levará muito tempo há mais que uma hora, já que não será alterado nenhuma parte mecânica, somente será realizada a atualização do software.

Se você possuir alguma dúvida poderá entrar em contato diretamente com a Kia através de algum meio de comunicação: telefone 0800 77 011011 ou o site www.kia.com.br.

Isabela Pierini


Chamado atinge veículos produzidos entre 2005 e 2012.

Geralmente quem compra um carro zero tem em mente que por um bom tempo não precisará se preocupar com visitas à oficinas mecânicas, nem trocas de peças, enfim, todos aqueles contratempos que são comuns em carros que já possuem um considerável tempo de rodagem. Espera-se que seja assim, porém, pode ocorrer de carros novos ou seminovos aparesentarem problemas, que podem ser tão sérios ao ponto de colocar a vida de seus ocupantes em risco. É o que acontece com carros que já saem de fábrica com defeitos e por isso precisam ser convocados para o famoso recall.

E por falarmos em recall, a Ford acaba de anunciar mais uma convocação de veículos de sua fabricação. Dessa vez é a vez da picape Ranger que teve um elevado número de unidades convocadas no Brasil.

O novo recall da Ford a ser realizado no Brasil está realacionado a picape Ranger. No total terão que passar por reparo o total de 35.526 unidades do veículo.

A montadora informou que esta convocação é na realidade a continuação de uma outra chamada que foi anunciada no mês de maio deste ano. O objetivo deste recall é a realização de reparos de problemas relacionados ao funcionamento dos airbags que estão instalados na parte da frente do veículo.

Os airbags que devem passar pelos reparos são produzidos pela empresa chamada Takata, sendo que não é a primeira vez que os airbags dessa empresa apresentam este tipo de problema.

De acordo com a Ford, é necessário que o recall seja realizado pelo fato de os airbags colocarem em risco a integridade física dos ocupantes e até mesmo a vida. Mas a montadora deixa claro que até o momento nenhum acidente envolvendo o acessório foi registardo, nem no Brasil, nem em outro país. Contudo, é prudente que o reparo seja realizado.

Em termos técnicos, o problema nos airbags consiste no fato de que em caso de colisão do veículo, ao ser acionado o airbag pode lançar alguns fragmentos que são metálicos e esses fragmentos podem atingir os ocupantes e causar graves lesões, que podem levar até a morte, em decorrência da velocidade que podem ser lançados.

Dessa forma, o reparo dos carros convocados consiste na substituição dos insufladores instalados nos airbags. Essa substituição não vai custar nada para os proprietários dos veículos envolvidos. Para realizar o reparo, que pode levar de 25 a 45 minutos, basta levar o veículo a uma loja autorizada da Ford ou ligar para o número 0800 703 3673, para saber de todas as informações sobre o recall e fazer o agendamento do reparo em uma concessionária mais próxima de você.

A montadora orienta aos proprietários de veículos envolvidos no recall que até que os acessórios sejam devidamente reparados os veículos não sejam utilizados, por uma questão de segurança.

O recall já está acontecendo e a Ford não estipulou uma data limite para aparesentação dos veículos, até porque o problema é relativamente grave. Por isso, se você possui um veículo que foi convocado, não deixe de procurar uma concessionária da marca Ford.

Para saber mais sobre estas e outras informações ligue para o telefone informado acima ou acesse o site da Ford em www.ford.com.br.

Veja abaixo as unidades que estão envolvidas neste recall:

  • Modelo de 2005 fabricação de 4/10/04 a 23/8/05 chassis de 5J389783 a 5J448881;
  • Modelo de 2006 fabricação de 2/3/06 a 28/6/06 chassis de 6J010290 a 6J499251;
  • Modelo de 2007 fabricação de 22/4/06 a 16/6/07 chassis de 7J077581 a 7J099434;
  • Modelo de 2008 fabricação de 10/4/07 a 15/8/08 chassis de 8J151620 a 8J197736;
  • Modelo de 2009 fabricação de 22/7/08 a 19/5/09 chassis de 9J198587 a 9J255541;
  • Modelo de 2010 fabricação de 12/2/09 a 10/4/10 chassis de AJ258039 a AJ325821;
  • Modelo de 2011 fabricação de 26/3/10 a 16/7/11 chassis de BJ330309 a BJ449850;
  • Modelo de 2012 fabricação de 1/7/11 a 31/1/12 chassis de CJ013230 a CJ499388;

Sirlene Montes


Veículos produzidos a partir de 2017 podem ter problema na caixa de fusível.

Um defeito no relê da caixa de fusível é a causa desse mega recall, pois é um defeito muito grave que pode ocasionar curto da parte elétrica do carro, fazendo com que o carro sofra superaquecimento e até incendiando com o superaquecimento de seu motor.

Com esse problema bem sério, a montadora terá que apurar quantos exemplares do carro já estão em circulação e quantos ainda estão em estoque para resolver o problema antes que futuros problemas venham surgir por conta do defeito.

Até o momento está apurado em média de 550 mil exemplares dentro dos modelos Spin, Prisma, Cobalt e Onix, que terão que passar pelo recall. Para que a empresa possa reparar seu erro e concertar o defeito de fabricação nos carros.

Resultando um prejuízo bem importante para toda montadora, mas se tratando em segurança dos clientes o dinheiro não será um problema. Com certeza uma das coisas que a empresa mais estima é a segurança de todos os seus clientes e espera que o pequeno erro seja resolvido antes que qualquer pessoa possa se ferir por conta desse lapso na produção.

No ano de 2017 tivemos uma situação muito parecida quando a empresa da Toyota convocou mais de 563 mil carros para um reparo de um defeito de fabricação. Sendo o maior recall produzido pela montadora em todo seu tempo de existência.

O tempo médio de reparo que esse recall terá é de aproximadamente 20 minutos em cada carro, ou seja, será um procedimento rápido e prático, onde os profissionais da montadora apenas irão vedar o dispositivo onde está correndo o risco de penetrar água no sistema elétrico. Pois se você é um dos que comprou um desses carros de 2017 para cá, não deixe de conferir se seu carro precisa passar pelo procedimento. Afinal a segurança de sua família deve estar em primeiro lugar sempre.

A empresa prometeu que fará uma geral em cada carro que possui nas suas concessionárias, fábricas e pátios para que nenhum carro com o defeito seja emplacado sem antes passar pelo reparo. Para que assim nenhuma família possa ser exposta a esse problema mais.

Sem dúvidas qualquer pessoa fica muito feliz com aquisição de seu carro 0 km, portanto, a segurança de sua família é sempre primeiro lugar, então se você possui um carro novo da GM, pesquise todos os detalhes do modelo e se informe para saber se ele não se enquadra nos exemplares que precisará passar pelo recall.

Bom ressaltar que se você comprou o carro em alguma concessionária não poderá leva-lo no seu mecânico de confiança, pois fazendo isso perderá toda a garantia do veículo. E também os direitos de revisão concedidos pela empresa. Somente através do site da GM, fazendo agendamento pela empresa com os profissionais credenciados esse reparo poderá ser realizado sem o veículo perder sua garantia de fábrica.

Bom também é nunca violar nenhum dos pré-requisitos da garantia do seu veículo, pois em caso de alguma falha mecânica causando qualquer tipo de acidente a responsabilidade não caia sobre você, que deixou uma pessoa não credenciada pela montadora alterar o funcionamento de seu carro.

Com isso você perderia a garantia total do veículo, e teria que responder com toda a responsabilidade das causas do acidente.

Hoje em dia o funcionamento do carro mudou muito. Antigamente qualquer mecânico sabia concertar qualquer carro. Já nos dias atuais as mecânicas variam, as peças variam de uma montadora para outra. Está muito mesclado a mecânica com a eletrônica. A tecnologia tomou conta de nossos carros, fazendo assim cada reparo se tornar minucioso e ímpar.

Ou seja, somente um profissional bem capacitado é capaz de solucionar qualquer defeito de forma eficaz.

Ricardo Ferreira Rodrigues


Problemas atingem unidades produzidas entre 2013 e 2017.

Os consumidores brasileiros que estão acostumados com toda a evolução da indústria automobilística brasileira ao longo dos anos, já devem ter notado que nos últimos anos foi grande os episódios no qual as montadoras estão convocando aos usuários de seus carros para substituir alguma peça defeituosa, os chamados ‘recalls’.

Desta vez, uma das maiores marcas do mundo, a Toyota, está convocando os proprietários de um dos seus maiores sucessos de vendas em todo o mundo, o Corolla, para que compareçam na concessionária onde o seu veículo foi comprado para a troca de um componente da transmissão que pode deixar de funcionar e assim comprometer o funcionamento do veículo.

Mas atenção, segundo a própria Toyota, esta medida deverá ser tomada para os veículos da linha que fazem parte da mais nova geração da marca.

E para quem estava pensando que isto não poderia acontecer com o seu Corolla, pasmem todos os consumidores, a empresa vai fazer não somente um, mais dois ‘recalls’, pois os engenheiros da marca já detectaram outro defeito no novo modelo e que está relacionado com um área critica: a segurança dos seus ocupantes.

Defeitos incomuns trazem o novo Corolla de volta para a oficina

Então, vamos lá. Para quem quiser saber mais detalhes sobre o fato, aqui vão alguns detalhes:

1- Defeito no sistema de transmissão

Um dos componentes mais importantes do novo Corolla, a transmissão, mostrou a possibilidade de defeito em alguns testes feitos com o novo modelo, apesar do mesmo já estar sendo comercialiado em todo o mundo.

Pelo menos, para os consumidores brasileiros, o mau funcionamento da peça já pôs a montadora de ‘cabelo em pé’, que não hesitou em tornar público imediatamente a necessidade da troca. Pelo menos, ponto favorável para uma marca que consegue admitir o erro publicamente e se preocupa com a segurança de seus consumidores.

O primeiro defeito diz respeito a uma falha no funcionamento de uma peça chamada solenoide e que faz parte do sistema de transmissão do veículo (caixa de marcha). Como o sistema é automático, o defeito faz com que o carro não consiga passar dos 60 Km/h. Além da redução da velocidade, mesmo que o motorista pise fundo no acelerador, ele vai notar que uma luz de aviso vai acender no painel mostrando que algo está errado.

Será necessário então que o motorista compareça com o seu veículo para seja feita a reprogramação da chamada Unidade de Controle Eletrônico ( ECU), que vai ser danificada por causa do solenóide defeituoso.

De acordo com a Toyota, os motoristas em todo o Brasil deverão ser convocados para esta primeira etapa a partir do dia 16 de abril.

Serão chamados os modelos automáticos 2018 do tipo 1.8 CVT.

Caso você possua este modelo, confira o chassi do seu automóvel clicando aqui.

2 – Defeito que pode tornar os airbags do carro verdadeiras máquinas de matar

O segundo recall a ser promovido pela Toyota deverá começar imediatamente no dia 04 de abril e diz respeito à substituição imediata dos airbags da marca Takata, que já foram responsáveis por algumas mortes em outros países, o que lhe valeu o apelido de ‘airbags fatais’.

Tudo isto se deve ao fato de que o componente que deveria ajudar a salvar vidas apresenta um sério defeito: o componente que aciona o mesmo possui a facilidade de se estilhaçar num momento de uma colisão e consequente acionamento. Este fragmentos (metal) de tamanhos variáveis podem atingir facilmente todos os ocupantes e causar sérios traumas que podem levar à morte no próprio veículo.

Se você quiser saber se o seu modelo está nesta lista, então pode clicar no link descrito acima neste artigo e conferir pelo número do chassi. Em caso positivo, então é bom entrar em contato com a sua concessionária e agendar o quanto antes a troca dos componentes.

Emmanoel Gomes


Problema atinge veículos produzidos entre 2016 e 2018.

O motivo do recall será explicado nessa matéria, porém, antes devemos saber o que é um recall para saber por que as empresas convocam carros nessa “chamada”. Vamos lá! O recall é um chamado de uma empresa quando análises comprovam que veíulos fabricados contém algum “defeito” que deve ser reparado para que não seja causado nenhum problema futuro, tanto para e empresa quanto ao cliente. Assim, a empresa se assegura de que seus clientes continuarão a comprar pois sabem que ao comprar eles estão contando exatamente com segurança.

Os modelos HB20 e HB20S, que contém o motor 1.0 Turbo com transmissão de seis marchas, foram convocados na última quinta feira, 28 de março de 2018, para este recall devido a um problema que está contido no freio do carro, não necessariamente na peça toda, mas sim em um ponto específico do freio, onde pode ser causada uma falha. Foi descoberta após testes esses “defeitos” após 2 anos de fabricação do veículo, onde pode se tirar a conclusão que apesar do tempo a empresa não deixa de se preocupar com a segurança de seus passageiros e condutores.

Segundo informações vindas da empresa, o problema vem, como citado acima, de um ponto específico, sendo ele a “válvula de controle de servo do freio”, o problema tem duas soluções possíveis, e isso dependerá do estado em que se encontra a peça, os veículos levados para o recall podem estar com a peça já danificada ou ressecada, sendo assim sua troca será imediata, pois a melhor solução é sua substituição, já se não for apresentado nenhum problema no local e ele ainda estiver dentro do “padrão”, apenas será aplicado o isolador térmico que já será resolvido o problema, e para as peças novas colocadas em veículos já danificados, o isolador térmico já virá incluso, evitando o ressecamento, o que será explicado no próximo tópico.

O problema nesta válvula de controle é o seguinte, por ela se encontrar perto do conversor catalítico, ela está sujeita a um ressecamento, e esse não será um ressecamento sem conseqüências, até porque elas serão perceptíveis, a percepção pelo motorista virá de forma que ao frear o carro, um barulho que se assemelha a um assovio no motor será ouvido, além disso, por estar ressecada, o freio exigirá que seja aplicada uma força maior para a frenagem, isso não mudará a eficiência do freio, porém, será desconfortável para quem está na condução veicular.

Os problemas antes falados ainda não são os maiores, até porque alguns maiores ainda podem ser causados, como por exemplo, pela falta de costume do condutor com esse problema, ao forçar mais uma frenagem brusca, pode ocorrer um acidente maior e haverá um prejuízo enorme para as duas partes (motorista e Hyundai), onde bens materiais e até o físico de quem sofreu o acidente pode ser prejudicado.

O que isso pode afetar para ambas as partes ?

Na parte do motorista: é óbvio que um acidente causará danos físicos a quem conduz, então, o motorista por sua vez sairá com danos e sem mais confiança na compra de um produto desta marca caso o erro for de fabricação, não referindo diretamente a Hyundai e sim a qualquer montadora que tiver um erro que não foi corrigido.

Quanto a empresa: Os danos materiais e tudo que acontecer em um acidente, se comprovado que foi por erro de fábrica, tudo será voltado exatamente para quem é fabricante, o “tudo” está fazendo referência aos custos causados.

Os modelos convocados para o recall são os com chassis que tem final: 561697 a 870541

Gustavo Martins dos Santos


A Ford convocou para Recall 1,4 milhão de unidades do Fusion com ano de produção de 2013 a 2015 por problemas no volante de direção.

Quem compra um carro novo, recém-tirado de uma concessionária sabe que por muito tempo ficará livre das constantes idas a oficinas mecânicas, como é bastante comum de acontecer com carro com mais rodagens. Afinal, as manutenções nesses carros novos são na maioria das vezes oferecidas pelas próprias concessionárias, como bônus na hora da compra.

Mas ao contrário do que muita gente acha, carros novos podem apresentar defeitos até mesmo graves, colocando em risco a segurança e a vida de seus ocupantes e de terceiros. É o que ocorre quando eles trazem um defeito originado em sua fabricação.

Há alguns dias uma marca divulgou no Brasil um recall para 10 de seus modelos, sendo mais de 15 mil unidades de veículos a serem reparados.

Agora quem comunicou um recall foi a Ford, porém o reparo se dará em seus carros que foram vendidos nos Estados Unidos, no modelo Fusion da marca.

Segundo a montadora o defeito de fabricação está localizado em seu volante de direção, que corre o risco de cair.

Os profissionais da montadora afirmaram que o defeito na fixação do volante se dá porque seus parafusos estão se afrouxando antes do tempo.

Os números apontam que está envolvido no recall um total de 1,4 milhão de unidades do Ford Fusion cujos anos de produção são de 2013 até 2015.

Até agora o que se sabe é que o recall será realizado somente nos Estados Unidos, a Ford do Brasil ainda não se manifestou se existem unidades comercializadas aqui que podem apresentar o defeito. No entanto, o que se sabe até o momento é que veículos cuja produção ocorreu na fábrica Ford localizada em Hermosillo, no México, também estão incluídos no recall realizado nos Estados Unidos. O que preocupa é que esta é a mesma planta que abastece o nosso mercado.

Ainda de acordo com a fabricante, foram registrados dois acidentes em decorrência do problema no volante, um deles por sinal, com uma pessoa ferida.

Na realidade esse defeito vem sendo investigado desde o mês de outubro do ano passado, por órgãos norte-americanos de regulação. Os parafusos não funcionam como deveriam e em pouco tempo de uso podem afrouxar, o que pode fazer com que o volante de direção se solte de forma repentina, deixando o motorista sem nem uma possibilidade de dirigibilidade, tornando possível, colisões e acidentes em que não se pode prever as consequências.

Além do Ford Fusion estão envolvidos no recall norte-americanos os modelos Lincoln MKZ que apresentam o mesmo problema.

Assim, o recall é para os seguintes modelos:

Ford Fusion e Lincoln MKZ, cuja fabricação ocorreu entre os anos de 2013 e 2018 em Hermosillo, município do México;

Ford Fusion e Lincoln MKZ, cuja fabricação ocorreu também entre os anos de 2013 e 2016 em Flat Rock, cidade dos Estados Unidos.

Embora as consequências deste defeito possam ser graves o seu reparo é bastante simples. Trata-se da troca dos parafusos por outros que são mais longos e que possuem roscas mais fortes e robustas, além de possuírem acabamento de nylon que oferece retenção de torque.

Em 2017, foram emplacados no Brasil 4.401 unidades do Ford Fusion. Sendo ele considerado um dos modelos de sedan médio mais vendidos no país.

A Ford, que é conhecida mundialmente através de seus veículos, não tem passado por uma boa fase em termos de qualidade, principalmente em relação aos seus veículos produzidos para os dos Estados Unidos. Não faz muito tempo outros modelos apresentaram defeitos nas maçanetas, sendo necessária a realização de um recall que custou para a marca mais de USS600 milhões.

Contudo, é muito importante a realização do recall, pois envolve vidas de milhares de pessoas. Resta agora aguardarmos se a Ford do Brasil vai se pronunciar sobre essa possibilidade de defeitos nas unidades comercializadas aqui.

Por Sirlene Montes

Ford Fusion


Problema no Alternador do Motor atinge cerca de 15.500.

Geralmente quem compra um carro zero quilômetro sabe que por muito tempo estará livre das rotineiras manutenções que os carros usados comumente necessitam, sendo presenças marcantes nas oficinas, seja para uma troca de peças, manutenção, enfim, os carros com muitos quilômetros de rodagem sempre necessitam de mais cuidados.

Os carros novos retirados de concessionárias só vão mesmo às oficinas para realizarem manutenções rotineiras que as próprias concessionárias oferecem na hora da compra. Somente mesmo um check-up para verificar se tudo está bem, como deveria estar.

Porém, pode acontecer de carros novos apresentarem defeitos e necessitarem passar por reparos, a fim de impedir problemas maiores que envolvem a segurança de seus ocupantes.

Pode acontecer e acontece bem mais que se imagina de alguns modelos já saírem da fábrica com algum defeito e depois de um tempo quando este fato é descoberto, as marcas anunciam os recalls, que são convocações daqueles veículos que apresentam problemas ou que fazem parte daquele lote de carros que podem apresentar no futuro o problema.

E por falar em recall, a Fiat acaba de anunciar mais um. O anúncio aconteceu nesta sexta-feira, dia 09 do mês de março, e segundo as informações anunciadas, são 10 modelos da marca que estão convocados.

Dessa forma, se você é proprietário de uma veículo Fiat comprado a pouco tempo, fique atento às informações que seguem.

Os modelos que a Fiat anunciou são: Idea, Punto, Palio Fire1.0, Uno 1.0 e 1.4, Novo Palio, Siena 1.4, Grand Siena 1.4, Fiorino, Strada e Palio Weekend.

Na soma total dos modelos que precisarão passar pelo recall, são mais de 15.500 unidades.

A montadora italiana informou que em todos esses modelos existe um defeito de fabricação que pode levar a um desligamento repentino do motor, sendo que esse defeito é em decorrência de uma falha existente no alternador.

Todos esses modelos são do ano e modelo 2016/2017.

Dessa forma, se você possui um desses modelos cujo ano de fabricação é o informado, agende uma visita a uma concessionária da marca Fiat a partir da data do dia 12 do mês de março, próxima segunda-feira.

Não deixe de levar o seu veículo para a vistoria na concessionária, pois a assessoria de imprensa da Fiat informou que existe uma falha no alternador que pode ocasionar o mau funcionamento do motor, podendo causar o seu desligamento repentino, podendo então ocasionar o comprometimento das condições de dirigibilidade e que os riscos podem ser graves como de colisão, levando a danos materiais e principalmente físicos tanto no motorista quanto nos seus passageiros.

Os especialistas das marca afirmam que o reparo deve levar cerca de 60 minutos para ser realizado, por isso programe-se e não deixe de fazê-lo.

Nem todos os veículos que estão descritos apresentarão o problema , mas como pertencem ao mesmo ano de fabricação, todos devem passar pelo recall.

O defeito pode ser notado no caso da luz espia da bateria acender no quadro de instrumentos. Assim, caso isso ocorra, o veículo deve ser imediatamente levado a uma concessionária.

Se você possui dúvidas em relação ao recall, a Fiat disponibiliza um telefone para maiores informações. Dessa forma, ligue para 0800 707 100. Também no site oficial da marca é possível saber dessas e de outras informações.

O modelo que mais possui unidades que precisam passar pelo recall é o Novo Palio com 8.373 unidades, seguido pelo Strada com 2.731 e pelo Punto com 2.069 unidades. O modelo Siena possui apenas 2 unidades a serem reparadas.

Mas não importam os números, o importante é que se você possui algum desses veículos, esteja atento e não deixe de levá-lo para vistoria. Uma hora pode fazer total diferença para a sua segurança e de sua família.

Sirlene Montes


Problema atinge o Onix Joy produzido em março de 2017.

Há cerca de um mês atrás, foi divulgado em diversos meios de comunicação, tanto nacional quanto internacional, que o Chevrolet Onix estava apresentando alguns defeitos. Na ocasião em especial, o problema estava em não oferecer segurança aos condutores e passageiros na lateral do veículo. Pois, caso acontecesse um acidente, a pessoa poderia sofrer um acidente ou até ter danos mais graves. A denúncia foi feita, depois de testes realizados pela Latin New Car Assessment Programme, a Latin NCAP, que deu nenhuma estrela no quesito segurança para o modelo em questão.

O Onix está presente no Brasil desde 2012 e nesses cinco anos, ele alcançou o posto de carro mais vendido do país, mostrando assim a preferência dos brasileiros em relação ao design considerado mais moderno por parte dos consumidores. Foram centenas de financiamentos e é muito comum andar pelas ruas e encontrar uma das unidades do Onix nas ruas. Antes de serem apontados estes defeitos, os proprietários sempre tinham muitos elogios ao carro e ao seu fabricante. Inclusive muitas pessoas, ao trocarem de carro, permaneciam com a mesmo modelo só que com anos diferentes, buscando pelos últimos lançamentos.

Nesta semana, mais precisamente na última terça-feira, dia 23 de maio, foi divulgado o novo problema que o Onix apresentava. Dessa vez, o contratempo é outro, são com as rodas do automóvel em questão. Segundo as notícias informam, cerca de 22 exemplares do modelo Joy deste ano vão sofrer o processo de recall, ou seja, serão devolvidos para a montadora para rever o problema. A falha foi cometida durante o processo de montagem, que resultou em um problema na parte do lado dos pneus. Assim, o pneu pode não funcionar de maneira correta, em paradas bruscas, por exemplo, e causar um grande problema, como colisões em outros veículos, o condutor ou passageiro ser arremessado para a parte da frente do carro, dentre outros. Todos sabem dos perigos caso os pneus não funcionem da maneira correta e oferecendo 100% de segurança.

Caso você possua um Onix Joy que foi fabricado no período de 27 a 31 de março de 2017 e quer verificar se ele possui o problema com as rodas. Basta checar o chassi dele, se ele possuir um dos chassis abaixo, é imprescindível que você leve o veículo a uma das concessionárias da Chevrolet, no município que você reside. Os chassis em questão são os de número:

HB200774, HB200824, HB200886, HB200966, HB201078, HB201123, HB201152, HB201244, HB201343, HB201386, HB201451, HB201494, HB201525, HB201584, HB201670, HB201694, HB201871, HB201911, HB202402, HB202798, HB203056, HB203089.

Se você ainda tem alguma dúvida de como proceder, entre em contato com a montadora através do seguinte telefone: 0800-702-4200. Não deixe de conferir, caso você tenha o modelo, para que não tenha nenhum problema futuramente.

Isabela Castro.


Convocação atinge proprietários dos modelos fabricados entre janeiro de 2016 e janeiro de 2017.

Só quem já passou por um serviço de recall, sabe como é algo demorado, estressante e, as vezes, temos que cancelar toda a nossa agenda diária por causa de um serviço mal feito. A bola da vez dos inúmeros recalls do Brasil, ficou por conta da alemã Volkswagen, que acaba de convocar os proprietários dos modelos up!, Gol, Voyage, Saveiro, Fox, CrossFox, SpaceFox e SpaceCross para fazer um recall urgente na concessionárias da marca.

Segundo a montadora, todos os carros fabricados entre 1 de março de 2016 e 12 de janeiro de 2017, devem ser levados à qualquer concessionária para reparo de uma falha que foi identificada no alternador da bateria. Recomenda-se que o recall não seja ignorado pelos donos dos carros, pois o problema, se não for corrigido, pode ocasionar uma pane elétrica geral e, como consequência, a parada de forma inesperada do carro, causando acidentes ou eventuais transtornos.

O defeito de fábrica não permite que o alternador gere energia suficiente para a bateria e para toda a parte elétrica do automóvel. Com isso, toda a energia disponível fica armazenada somente na bateria e pode se esgotar a qualquer hora, afetando de forma direta todo o funcionamento do propulsor. Durante o recall, será feita uma rigorosa inspeção e se houver necessidade, será feita a substituição da peça.

Todo o serviço dura em média cerca de três horas e poderá ser agendado a partir do dia 10 de maio. A montadora alemã disponibiliza o telefone 0800 019 8866 ou o site www.vw.com.br para sanar demais dúvidas dos proprietários e fazer os agendamentos. Lembrando que o horário de realização dos serviços é das 8 até às 17 horas, de segunda a sexta-feira. Vale ainda alertar, para que se evite ainda mais transtornos, é que o serviço só poderá ser feito em toda rede concessionária VW de qualquer lugar do país, pois o mesmo será totalmente gratuito. Oficinas multimarcas até realizam a troca da peça, mas o serviço não é gratuito. Ao todo, a montadora alemã espera fazer o reparo em 54.170 veículos em todo o país. Não perca tempo e agende o reparo do seu carro, se você foi o contemplado da vez.

Rodrigo Souza de Jesus


Chamado de Recall é para corrigir uma falha no insuflador do airbag localizado no lado do motorista.

A Mitsubishi divulgou nota de que está fazendo recall de pelo menos 29.014 unidades da picape L200 Triton, que foram produzidas pela marca entre junho de 2007 e dezembro de 2010, com os seguintes chassis (finais não sequenciais): 00001 a 30009.

Conhecida no mundo todo como o caso dos “airbags mortais”, o motivo do chamado se deu por uma falha no insuflador do airbag localizado no lado do motorista. Este problema se deu em mais de 40 milhões de veículos de diversas marcas em todo mundo, causado por erros na produção dos airbags pela japonesa Takata.

Sendo assim, as unidades do L200 Triton serão convocadas pelas concessionárias para reparar o problema identificado no acionamento destas bolsas de ar, uma vez que com esta falha, e em caso de colisão frontal, pode ocorrer o lançamento de pedaços de metal contra os ocupantes do veículo, se tornando extremamente perigoso para a segurança destes.

Conforme a Takata e as próprias montadoras, não se sabe a causa certa que ocasiona estes acidentes. Porém, pode-se identificar três problemas relacionados a estes: condições climáticas extremas, concepção errada dos airbags e substância química que é incapaz de absorver a umidade.

Além da Mitsubishi, foram chamados também para reparação modelos das montadoras Honda, Lexus e Nissan, comercializados no Brasil com os mesmos produtos defeituosos fornecidos pela japonesa. Em todo mundo, 13 mortes já foram confirmadas e relacionadas a este defeito, sendo a última confirmada em 5 de maio de 2016, quando duas pessoas perderam a vida na Malásia após a explosão de airbags no veículo em que estavam.

Em um comunicado divulgado pela própria Mitsubishi, esta afirma que o reparo será realizado a partir do dia 4 de julho de 2016, sendo que leva em torno de uma hora para ficar pronto. Quem precisar ou quiser informações sobre a substituição, pode fazê-lo pelo telefone 0800-7020404 ou também através de correio eletrônico, pelo sac@hpeautos.com.br. Ainda, quem quiser contatar pode entrar no site no www.mitsubishimotors.com.br.

Atualmente, o grupo Mitsubishi é um dos maiores conglomerados asiáticos, se não o maior. Presente em um vasto mercado de bens como imóveis, transporte, seguros e mineração, esta possui mais de 200 grandes empresas distribuídas em 180 países. Este é o segundo recall oficializado pela montadora em 2016, sendo que em março pelo menos 143.017 carros foram chamados para troca da alça de retenção da trava do capô nos veículos L200 Triton e Pajero.

Por Kellen Kunz

Recall Mitsubishi L200 Triton

Foto: Divulgação


Proprietários do modelo C4 Picasso da Citroën são convocados por falha no fecho do cinto de segurança

A Citroën divulgou no início do mês de abril a necessidade dos proprietários dos modelos C4 Picasso e Grand C4 Picasso, ambos fabricados em 2015, comparecerem às concessionárias para realizar uma vistoria de segurança nos cintos de segurança do banco traseiro do veículo.

Segundo a empresa, em caso de choque ou colisão, os fechos do cinto de segurança não possuem resistência suficiente para manter-se preso.

É importante ressaltar que o uso correto do cinto de segurança reduz em até 45% o risco de mortes em acidentes. Outro item de precaução imprescindível, o airbag, só é acionado se o passageiro estiver usando corretamente o cinto de segurança.

Outro possível problema relatado pela marca está nas fechaduras das portas do modelo, que pode fazer com que elas abram enquanto o carro está em movimento. Este item é importante para garantir a segurança dos passageiros, principalmente das crianças em caso de acidentes.

Para evitar o risco de acidentes, danos materiais e físicos tanto ao proprietário quanto a terceiros, a montadora realizará uma vistoria nas unidades envolvidas. Confira no final deste artigo os números dos chassis envolvidos.

O atendimento aos proprietários dos veículos começou no dia 8 de abril e não há prazo limite para o encerramento.

De acordo com a montadora, é importante que o proprietário realize o agendamento da vistoria nas concessionárias Citroën. O veículo que apresentar o problema será consertado no prazo de quatro horas.

Para maiores informações, o proprietário do veículo pode ligar para o SAC da empresa, no telefone 0800 011 8088, a partir das 9h até às 17h, de segunda a sexta-feira ou pelo site www.citroen.com.br.

A Citroen é uma montadora francesa, fundada em 1919, que chegou ao Brasil em 1991, trazendo ao Rio de Janeiro, em 2000, seu primeiro complexo industrial no país.

Confira o número de chassis que podem apresentar estes problemas:

C4 Picasso:

Veículos fabricados entre 31 de agosto de 2015 e 30 de agosto de 2015.

Chassis: GJ512922 a GJ515452.

Grand C4 Picasso:

Veículos fabricados em 18 de agosto de 2015.

Chassis: GJ514397 a GJ514399.

Renata Bianco


A Volkswagen divulgou recentemente um procedimento de recall para 3.785 unidades do Fox e do CrossFox, ano/modelo 2015, tendo o volante multifuncional. A solicitação faz parte de unidades fabricadas entre 3 de fevereiro de do último ano e 21 de janeiro deste ano. 

O aviso ocorrerá para os proprietários também através de carta e precisarão agendar a troca do volante, que terá um tempo de aproximadamente 1 hora.

Foto: divulgação

O Fox Trendline possui de série com direção com assistência elétrica, vidros dianteiros e travas com acionamento elétrico, volante ajustável em altura e distância, chave canivete, faróis duplos e rodas de 15 pol (de aço). O modelo também possui aquecimento, ar-condicionado, computador de bordo, alarme com comando remoto, controles elétricos de vidros e retrovisores e retrovisores externos com luzes de direção.

O Comfortline possui computador de bordo, faróis de neblina, aquecimento, retrovisores com luzes de direção, controles elétricos de todos os vidros. Ele também fornece revestimento dos bancos em couro sintético, sensores de estacionamento na parte da frente e na traseira, banco traseiro corrediço, dentre outros.

O aspecto mais importante no visual dianteiro do Novo Crossfox são os faróis, que são mais inclinados. Uma linha cromada horizontal faz a divisão da parte da frente completa do modelo, tangenciando a parte de baixo dos faróis, aspecto implementado também no Novo Golf.

Foto: divulgação

Outro fator de destaque do Novo Crossfox trata-se da única grade dianteira com friso cromado e a inscrição do veículo. O para-choque dianteiro tem visual único, com a extensa abertura de ventilação, sendo ladeada pelos dois grandes faróis auxiliares, que possuem o formato retangular.

Nas partes laterais, os fatores principais tratam-se das molduras com insertos em “chrome effect” e as molduras das caixas de rodas. As rodas “Soul” tratam-se de liga leve, tendo 15 polegadas. Os pneus possuem as medidas 205/60 R15. O perfil mais elevado do CrossFox é salientado através das barras longitudinais no teto.

Por Felipe Couto de Oliveira





CONTINUE NAVEGANDO: