O Tiggo 2019 oferece uma longa lista de itens de série. Ele chegará no Brasil em breve, mas ainda não há data definida.

O Chery Tiggo 4 começa a mostrar que não perde em nada para seus concorrentes, inclusive aqueles que já estão consagrados no mercado, o que prova que a empresa aprendeu ao longo dos últimos anos que era preciso melhorar muito para ter seu espaço. O primeiro Tiggo chegou há alguns anos prometendo muito e oferecendo pouco, eram modelos que não tinham a maturidade do que é apresentado hoje e por isso as vendas nunca emplacaram.

Mas agora é bem diferente e a Chery promete mudar a história e quem tem a ganhar é o consumidor que contará com mais um bom veículo no mercado.

Aos poucos o Tiggo foi ganhando novas opções, trouxe modelos em tamanhos diferentes e uma linha de motores diversificada, inclusive com opções 1.6, 2.0 e até 2.4. Depois de mais algum tempo chegou os modelos com câmbio CVT além daqueles com transmissão manual. Aqui no Brasil, a Chery começou a lutar por seu espaço no mercado em 2009 quando trouxe a primeira versão do Tiggo, que tinha câmbio manual e tração 4×2.

Agora o Tiggo 2019 chega com uma linha surpreendente e alguns detalhes até fazem com que o modelo fique parecido com um SUV. Na parte externa há vários apliques plásticos deixando o carro com um visual diferenciado. A dianteira conta com um ar robusto e vem com um design mais quadrado, sendo que os faróis agora estão bem alinhados com a grade e logo abaixo estão as luzes diurnas com detalhes cromados.

Na lateral, o Tiggo 2019 quase não tem vincos, mas a moldura acima das rodas chama a atenção e logo acima da linha dos espelhos há uma separação da cor. É um visual bastante interessante e só o tempo irá dizer se o consumidor brasileiro aprovou ou não tais mudanças. A traseira também traz novidades e chega até mesmo a destoar do estilo de um SUV, ficando mais parecido com um hatch, quem tem bons conhecimentos de automóveis irá achar bem parecido com o Celer.

Na parte inferior do Tiggo 2019 também tem muito plástico, o que acabou tirando um pouco aquele visual sofisticado, mas não ficou feio. Na tampa do porta-malas há uma linha cromada passando bem entre as lanternas, como se fosse para unir as luzes de ré. O carro conta com vários pequenos detalhes, mas que fizeram uma diferença incrível no visual.

Mas o acabamento interno, no geral, é bom e mostra que houve grande evolução se comparado com a versão anterior. Ainda na parte interna é possível conferir a presença de acabamentos em preto brilhante combinando com cromado e para dar um toque final os plásticos são texturizados. Foi usado couro sintético somente em uma parte das portas.

O painel conta com instrumentos sofisticados, tem o computador de bordo que sempre traz informações importantes ao motorista e tem o conta-giros que funciona na direção oposta ao da velocidade. A princípio, tudo isso pode confundir um pouco o condutor, mas aos poucos vai se acostumando. Tem ainda o fato de que o consumo é marco em 'litros por 100 km' e não da forma como o brasileiro conhece bem, que é de km/l.

A central multimídia garante conexão tanto com o Apple CarPlay como também o Android Auto, o que já é um ponto importante para que o modelo tenha boa aceitação no mercado.

Quanto ao espaço interno, o Tiggo 2019 não fica atrás da concorrência, são 4,2 metros de comprimento e 2,5 metros de entre-eixos. É um espaço oferecido hoje pelos hatches aventureiros, entre eles o Onix Activ e também o HB20X. Destaque também para o porta-malas com seus 420 litros de espaço.

O Tiggo 2019 oferece uma longa lista de itens de série, então é bom ficar atento e fazer as contas para ver o que realmente será útil. A lista conta com câmera de ré, ar-condicionado automático, piloto automático, trio elétrico, sensor de estacionamento, indicador de pressão dos pneus e muito mais. O Tiggo 4 chegará no Brasil em breve, mas ainda não há data definida.

Por Russel

Chery Tiggo 4 2019

Chery Tiggo 4 2019


Confira aqui uma análise sobre o carro mais barato do Brasil.

Há alguns anos, o Chery QQ, um típico subcompacto chinês, acabou virando notícia depois que começou a perturbar a paz de alguns dos modelos de carros mais vendidos no Brasil. Na época, ele vinha com uma oferta interessante em relação aos equipamentos em sua lista de série e, claro, também tinha o preço competitivo.

Pois bem, a novidade agora é que está geração nova é fabricada no Brasil, mais precisamente na cidade de Jacareí, no interior do estado de São Paulo. O fato é que de novo o Chery QQ voltou a aparecer nos noticiários de sites especializados. Isso porque está sendo vendido pelos inacreditáveis R$25.990. Mas tem um detalhe: esse valor é válido apenas para o mês de julho e somente se o pagamento for feito à vista.

O que há de novo no Chery QQ?

Bom, as novidades desse subcompacto chinês são várias. Entre elas podemos destacar o novo desenho, o propulsor 1.0 flex com 75 cavalos de potência, além da capacidade de rodar até 10,1 kgfm se for abastecido a etanol ou 9,7 kgfm se o combustível for a gasolina.

Em linhas gerais, podemos dizer sem nenhuma dúvida que o Chery QQ é um carrinho meio lento. Mas, por outro lado, ele é super econômico. Tanto que conseguiu ganhar o selo A oferecido pelo programa de etiquetagem do Inmetro. Além disso, ele ainda traz o privilégio de ser fabricado em terras tupiniquins. Isso provavelmente vai ajudar ao carro chinês a conseguir entrar em uma boa competição contra os seus principais rivais, especialmente no que diz respeito ao ponto de ‘pós-venda’. Os preços devem ficar interessantes em vários aspectos, tais como serviços, revisões e valor das peças.

E para fechar tudo isso é importante nós lembrarmos de que o Chery QQ, desde que surgiu no mercado, sempre conseguiu se destacar por conseguir oferecer muito conteúdo em seu portfólio, mesmo considerando o fato de que o acabamento não ficou tão interessante. De qualquer maneira, como concorrente do Fiat Mobi e do próximo Renault Kwid, ele aparece no mercado automobilístico brasileiro como uma opção mais acessível.

E em sua opinião, caro leitor, será que vale a pena investir os R$26 mil em um carro que traz o estigma de ser chinês?

Por Denisson Soares


Saiba aqui o preço e as principais novidades presentes no Chery QQ 2018.

Hoje em dia, se sair procurar pelas vendedoras do Brasil, o modelo Chery QQ apenas será encontrado em poucas unidades do ano de 2016, os quais ainda estão em estoque e ainda não possui descontos. Entretanto, já se tem uma notícia boa para os que estão em busca do pequeno sino-brasileiro em sua linha de 2018, a qual na próxima semana será lançada com um propulsor de mil cilindradas flex, com três cilindros e ainda conta com uma versão inédita de entrada, chamada de ”Smile” e terá um preço de R$ 25.990.

De acordo com as informações apuradas por alguns sites com as concessionárias da Chery Brasil na cidade de São Paulo (SP), o modelo hatch irá perder equipamentos como direção hidráulica, desembaçador traseiro e ar condicionado, para que assim a cifra seja baixada. Isso porque até o momento o valor de R$ 31.290 que era cobrado pela versão Look possuía o título de veículo mais acessível do país. Já referente ao visual, nenhuma mudança irá ocorrer.

Os valores das outras configurações ficarão também mais agressivos: a versão QQ Look agora passar a ser vendida por R$ 29.990, já linha ACT, topo de linha, que era comercializado por R$ 33.690, será oferecida agora pelo valor de R$ 31.490, a diferença conta com faróis de neblina, rodas de liga leve, vidros traseiros, travas elétricas e também retrovisores. Se vier a escolher alguma cor metálica, haverá um acréscimo, no valor total, de R$ 1 mil.

Entretanto, o motor irá gerar uma potência de 75 cavalos ao ser abastecido com etanol e ao ser abastecido com gasolina, gera uma potência de 74 cavalos, enquanto possui um torque máximo de 10,1 kgfm e também 9,7 kgfm, respectivamente ao tipo de combustível, anteriormente o propulsor contava com 69 cavalos e torque de 9,4 kgfm.

Segundo informações divulgadas pela fabricante, o veículo, que é produzido na cidade de Jacareí (SP), sendo montado com peças que são importadas da China, alcançou “AA” em sua classificação, sendo ela a melhor possível, referente a testes de consumo realizados pelo Inmetro.

FILIPE R SILVA


Novo modelo será produzido no Brasil e começará a ser vendido em março de 2016.

De acordo com o presidente interino da Chery, Luis Cury, a nova geração do modelo QQ terá o início de suas vendas em março de 2016. A notícia foi dada durante um evento de encerramento do ano. O novo QQ terá a sua produção feita no Brasil, assim como os modelos Celer Hatch e o Celer Sedan.

Ainda de acordo com Cury, o preço da nova geração do QQ não poderá ser menor que R$ 30 mil. No segundo semestre do ano que vem, a marca também dará início às vendas do Tiggo 5 nacional, que é o SUV da Chery. Para esse modelo haverá uma versão do mesmo com 07 lugares.

O presidente interino da marca também anunciou, sem dar nomes, que já foi definido outro representante da Chery no Brasil em 2016. Fontes que são ligadas à marca apontam que o ano que vem terá os lançamentos do Tiggo 5 e Tiggo 3. O modelo Tiggo 1 ficará para 2017. A fabricação dos automóveis acontecerá na planta de Jacareí, em São Paulo.

O intuito da Chery é finalizar o ano de 2016 com 10 mil unidades produzidas, sendo que esse número é praticamente o dobro do que a marca produziu neste ano. Cury comentou que, no mínimo, dois modelos serão submetidos para o crash-test do Latin NCAP do ano que vem. São eles: o QQ e o Celer. Isso é importante, uma vez que a questão da segurança é algo que ainda preocupa quando se fala em carros chineses.

Cherry atual:

Foi no dia 22 de abril que a Chery começou a vendas do modelo atual do QQ no mercado nacional. O automóvel compacto teve uma renovação completa. Ele foi importado da China até o segundo semestre deste ano de 2015, quando foi iniciada a fabricação na planta de Jacareí.

O QQ vem sendo vendido em duas versões. A Look tem o custo de R$ 31.990 e conta com vidros elétricos dianteiros, ar-condicionado, direção hidráulica, freios ABS, airbag duplo e som com entrada USB.

A versão Act é comercializada por R$ 33.990. Os itens adicionais são as rodas de liga leve aro 14, sensor de estacionamento, vidros elétricos também traseiros, CD player com MP3, retrovisores elétricos, entre outros. 

Chery QQ 2016

Chery QQ 2016

Fotos: Divulgação


Fábrica da Chery no Brasil, em Jacareí (SP), irá produzir apenas 10% da sua capacidade total de veículos.

A Chery, primeira montadora chinesa a se instalar no Brasil, deve alcançar números indesejados em 2015. A marca chinesa anunciou recentemente que sua fábrica em Jacareí irá produzir cerca de 5 mil veículos em 2015, o que significa apenas 10% da capacidade total que tem tal fábrica.

O grande motivo para esta decisão é a forte crise econômica que o país atravessa. A crise trouxe como consequência direta graves problemas no setor automotivo do país. Para se ter uma ideia da dimensão dessa crise, saiba que a indústria automotiva irá retroceder nada menos que nove anos em volume de produção.

É importante destacar que 2015 é o ano de estreia da Chery em solo brasileiro. No início deste ano a montadora havia projetado uma produção anual de 30 mil automóveis em 2015, no entanto, tal número foi revisado a passou a ser de 20 mil, sendo que uma revisão consecutiva baixou a expectativa para 10 mil veículos. A projeção mais atual já aponta a fabricação de 5 mil carros até o final de 2015.

O vice-presidente da Chery Brasil, Luis Curi, destaca que os chineses estão desapontados com tal resultado, porém, os mesmos não apresentam arrependimentos em relação ao investimento.

A queda na projeção da fabricação de veículos em 2015, no Brasil, não é exclusividade da Chery. Um grande exemplo disso é a Hyundai, que mesmo apresentando um crescimento de vendas de 15% em um mercado que cai 22%, emitiu uma nota onde destaca o adiamento por tempo indeterminado da inauguração de sua segunda fábrica no Brasil. Com tal inauguração a Hyundai poderia aumentar ainda mais sua linha de produção.

Um detalhe bastante importante é que há poucos anos atrás as montadoras mais antigas instaladas no país já temiam a chegada dos chineses para o setor automotivo brasileiro. A Chery é a única das chinesas que não importa, ou seja, sua linha de produção tem origem no Brasil.

Por Bruno Henrique

Fábrica da Chery

Foto: Divulgação





CONTINUE NAVEGANDO: