Confira aqui todas as informações sobre o novo Ford Ka SE 2019.

O Ford Ka SE 1.0 2019 é um modelo tão básico que fica até difícil convencer o consumidor que vale a pena adquiri-lo, ainda mais que no mercado há outros modelos, na mesma linha, na mesma média de preço, mas que oferecem bem mais. A Ford prometeu muitas novidades para o novo Ka 2019, entre elas uma reestilização no visual, motor 1.5, câmbio automático, porém, tudo isso só está disponível nas versões mais caras, porém, o brasileiro está de olho é nas mais baratas, como é o caso da SE, que custa R$ 45.990, mas não oferece praticamente nada de novo.

Quem for conhecer a versão SE do Ka 2019 não encontrará as tão comentadas novidades, pois o modelo traz uma discreta mudança no visual, algo quase imperceptível, por exemplo, leves retoques nos faróis e um 'C' nos para-choques. Na parte externa, pode-se dizer que isso é tudo que o novo modelo realmente tem a oferecer, sendo que em um primeiro momento tais detalhes nem são percebidos, de tão discretos que são.

Na parte interna as novidades também são mínimas e mesmo assim, não agradam tanto, por exemplo, o novo rádio só está nesta versão mais barata, porque nas mais caras foi disponibilizada a central multimídia SYNC 3. O revestimento de fato é novo, mas nada que se destaca, que vá chamando logo a atenção, é preciso reparar bem para notar que ele foi modificado.

Pouco acima do som tem um porta-objetos que poderá ser utilizado como um porta-celular, para isso é só abrir a tampa, colocar o aparelho nele e depois fechar, de forma que o smartphone fique preso na posição horizontal. Dentro desse porta-objeto tem uma entrada USB, então é possível colocar o aparelho para recarregar enquanto o GPS vai sendo utilizado, ou mesmo durante o trajeto na cidade ou viagens.

Outro ponto negativo o SE 2019 é o motor 2.0 TiVCT de 85/80 cv, que atende o básico e nada mais que isso. Para usar no dia a dia, sem pressa e sem exigir do carro, é tranquilo, mas nas viagens ou quando tiver 3 passageiros, aí será preciso paciência.

De acordo com os testes realizados pelo Inmetro, o consumo de combustível fica em 9,2 km/l na cidade e 13/4 km/l na estrada, quando o veículo é abastecido com etanol. Com gasolina, ele faz 10,7 km/l na cidade e 15,5 km/l na estrada. Vale lembrar que esses números variam muito e para garantir uma boa economia é preciso trazer a manutenção sempre em dia, abastecer em posto de confiança, ficar atento ao alinhamento e balanceamento, além de calibrar os pneus semanalmente.

O SE traz o novo câmbio manual com 5 marchas, o MX65, que pesa 35 quilos a menos que seu antecessor. A Ford garante que este é bem mais preciso nos engates, mas na prática não faz tanta diferença. O que melhorou realmente foi a direção com assistência elétrica, que agora está bem mais direta e deixou o compacto mais preciso nas manobras, mas sem deixar de ser leve.

A suspensão sofreu uma ligeira alteração, ficando mais firme para garantir maior estabilidade e isso é sentido na estrada, quando se alcança velocidade mais alta. Na curva, o SE 2019 se sai muito bem.

O problema do Ka SE é que ele oferece muito pouco ao consumidor e ainda tem o fato de que ele disputa o mercado diretamente com dois grandes rivais, o Onix da Chevrolet e o HB20 da Hyundai, dois modelos que estão muito bem equipados, com grandes novidades e um lindo visual.

Mas se o consumidor fizer mesmo questão de ficar com o modelo da Ford, então a dica é pagar um pouco mais e levar a versão SE Plus, ao menos assim estará melhor atendido, levando um veículo com a central SYNC 3, retrovisores elétricos, todas as portas com vidros elétricos e sensores traseiros de estacionamento.

Por Russel


Modelo custa R$ 45 mil e pode ser considerado um dos principais veículos sedã do mercado brasileiro.

O sedã Prisma Joy foi lançado em 2006, onde a primeira versão era uma restruturação do Celta com carroceria estendida. Já em 2013 foi lançado a segunda versão do Prisma, sendo reestilizado usando a base estrutural do Chevrolet Onix.

O carro é produzido aqui no Brasil e foi classificado como um modelo sport sedan. O estilo esportivo é traduzido em seu design lateral, frontal e traseira. Para quem busca um sedan compacto, de baixo custo e espaçoso, continue lendo este texto e veja um pequeno preview deste veículo.

Substituto do Velho Classic

Até os primeiros 6 meses de 2016, quem buscava um sedan de baixo custo da linha Chevrolet, só encontrava o tradicional Classic, modelo descontinuado pela Chevrolet, que tinha suas linhas derivadas do Corsa.

Na segunda metade de 2016, a Chevrolet lançou seu novo sedan compacto, o Prisma Joy, substituindo o Velho Classic. A versão derivada do Onix com tecnologia de versões dos mais caros.

Pacote Básico

Aos interessados em comprar a versão Prisma Joy, o sedan compacto da Chevrolet, pode retirar das concessionárias a partir de R$ 45.790, com direção elétrica, ar condicionado e vidros elétricos nas portas dianteiras.

Na questão de segurança, os cintos dianteiros possuem regulagem de altura, travas elétricas. Na parte traseira, o banco pode ser rebatido para ampliar espaço para bagagens. No painel apresenta indicador de troca de marchas e tomada de 12V para carregador de celular e outros acessórios.

Acessórios

No pacote básico não vem incluído alguns itens, que são considerados acessórios opcionais. O sistema de som e rodas de liga leve são estes outros itens na qual podem ser adquiridos à parte.

A central multimídia da versão Joy não é igual as outras versões, que conta com o sistema MyLink na qual é instalada nas versões mais avançadas ou de luxo.

Iluminação

A iluminação do Prisma saiu daquela azulada para uma cor alaranjada, trazendo um design retrô, lembrando os GM mais antigos, lançados em meados aos anos 90, como o Omega e o Kadett, veículos muito famosos em sua época.

Acabamento Interno

O acabamento interno é plástico para todos os lados, no entanto, com encaixes bem feitos e não existem sinais de rebarbas nos detalhes.

Porta-malas amplo

O detalhe é para o porta-malas de 500 litros, para quem tem família com filhos, atende muito bem no caso de muitas bagagens.

Consumo

Segundo a Chevrolet, o consumo do Prisma Joy é de 12,9 Km por litro na cidade e 15,6 Km por litro se a escolha do combustível for gasolina. Caso seja usado etanol, o consumo cai para 9Km na cidade e 11,1 Km na estrada.

Para quem gosta da linha dos sedans compactos, o Prisma Joy está na lista dos mais acessíveis em relação a custos e consumo, para ter mais detalhes desta versão, acesse o site oficial da Chevrolet e faça uma busca mais detalhada da ficha técnica deste modelo.

Marcio Ferraz


Confira aqui uma análise sobre o carro mais barato do Brasil.

Há alguns anos, o Chery QQ, um típico subcompacto chinês, acabou virando notícia depois que começou a perturbar a paz de alguns dos modelos de carros mais vendidos no Brasil. Na época, ele vinha com uma oferta interessante em relação aos equipamentos em sua lista de série e, claro, também tinha o preço competitivo.

Pois bem, a novidade agora é que está geração nova é fabricada no Brasil, mais precisamente na cidade de Jacareí, no interior do estado de São Paulo. O fato é que de novo o Chery QQ voltou a aparecer nos noticiários de sites especializados. Isso porque está sendo vendido pelos inacreditáveis R$25.990. Mas tem um detalhe: esse valor é válido apenas para o mês de julho e somente se o pagamento for feito à vista.

O que há de novo no Chery QQ?

Bom, as novidades desse subcompacto chinês são várias. Entre elas podemos destacar o novo desenho, o propulsor 1.0 flex com 75 cavalos de potência, além da capacidade de rodar até 10,1 kgfm se for abastecido a etanol ou 9,7 kgfm se o combustível for a gasolina.

Em linhas gerais, podemos dizer sem nenhuma dúvida que o Chery QQ é um carrinho meio lento. Mas, por outro lado, ele é super econômico. Tanto que conseguiu ganhar o selo A oferecido pelo programa de etiquetagem do Inmetro. Além disso, ele ainda traz o privilégio de ser fabricado em terras tupiniquins. Isso provavelmente vai ajudar ao carro chinês a conseguir entrar em uma boa competição contra os seus principais rivais, especialmente no que diz respeito ao ponto de ‘pós-venda’. Os preços devem ficar interessantes em vários aspectos, tais como serviços, revisões e valor das peças.

E para fechar tudo isso é importante nós lembrarmos de que o Chery QQ, desde que surgiu no mercado, sempre conseguiu se destacar por conseguir oferecer muito conteúdo em seu portfólio, mesmo considerando o fato de que o acabamento não ficou tão interessante. De qualquer maneira, como concorrente do Fiat Mobi e do próximo Renault Kwid, ele aparece no mercado automobilístico brasileiro como uma opção mais acessível.

E em sua opinião, caro leitor, será que vale a pena investir os R$26 mil em um carro que traz o estigma de ser chinês?

Por Denisson Soares





CONTINUE NAVEGANDO: