Existem 3 tipos de óleo: mineral, sintético e semissintético. Cada veículo necessita do óleo correto para ter um bom funcionamento e maior vida útil, por isso é preciso ficar atento ao manual do carro para escolher o óleo correto que será utilizado.

A função do óleo no motor de um carro é a de lubrificar, limpar e também refrigerar o motor e são funções fundamentais para que o motor possa funcionar corretamente, ou seja, nem pense em esquecer de manter o óleo do carro sempre em dia. Porém, com tantos modelos e marcas de óleos disponíveis no mercado, é mais do que comum encontrarmos motoristas em dúvida na hora de comprar óleo para o seu veículo.

Existem 3 tipos de óleo: o mineral, o sintético e o semissintético.

O óleo mineral é obtido exclusivamente do petróleo.

O óleo sintético é obtido a partir de reações químicas e é um óleo bem mais puro.

O óleo semissintético é a mistura dos dois primeiros tipos de óleos.

O importante é você nunca misturá-los no motor de seu carro, pois cada um possui suas próprias características.
Para saber qual é o óleo certo para o motor do seu carro, a melhor coisa a ser feita é pegar o manual do veículo e ver qual é o óleo indicado pela empresa que fabricou o veículo. Não adianta o mecânico recomendar ou seu amigo dizer que utilizou tal óleo e o carro melhorou. Cada carro tem seu óleo específico e isso deve ser respeitado.

Todo óleo traz a especificação SAE, que indica a viscosidade do óleo e ele é especificado por 2 números que são separados por um "W", por exemplo, o óleo SAE 5W40 indica que a frio ele se comporta como um óleo SAE 5 e quente como um óleo SAE 40 que é mais viscoso. Se você não utiliza o óleo com a especificação SAE correta, vai acabar causando um consumo excessivo de óleo ou até de combustível.
Importante verificar também a especificação API que fala sobre o desempenho do óleo no motor. Cada motor tem seu próprio nível API e deve receber o óleo específico para ele.

O óleo deve ser verificado a cada 30 dias e se o carro for um modelo mais antigo, esta verificação deve ser feita a cada 15 dias. O nível do óleo deverá ficar sempre entre os dois traços da vareta de verificação, porque se o óleo estiver abaixo vai ocasionar em falta de lubrificação e se estiver acima vai aumentar a pressão no cárter.

Lembre-se que o filtro do óleo deve sempre ser trocado com o óleo e troque o óleo, no máximo, a cada 6 meses.

Por Russel

Óleo do carro

Foto: Divulgação


Os indicadores TWI são importantes determinantes para saber se os pneus precisam ser trocados. Este indicador é o ressalto de borracha que há nos pneus, que mede 1,6 mm de profundidade e quando chega ao seu limite, os pneus devem ser substituídos.

Muitas pessoas têm bastante dúvidas a respeito de qual é o momento correto para trocar os pneus dos seus veículos automotores. Além da dúvida, que é muito frequente, os proprietários de veículos sempre tentam prorrogar essa troca muitas vezes devido ao custo elevado dos pneus no mercado.

Muitas técnicas que prorrogam a troca são utilizadas, tais como, recauchutar pneus velhos e até mesmo realizar a substituição das posições dos pneus no veículo, sendo que muitos acreditam que podem rodar até o prazo de garantia dos pneus vencerem independente do desgaste deles.

O certo é que o principal indicativo que determina o momento correto de fazer a substituição dos pneus são os indicadores TWI (Tread Wear Indicator), para aqueles que nunca ouviram falar ou nem sabem o que significa este indicador, ele é um ressaltos de borracha existente em todos os pneus, ressalto este que tem 1,6 mm de profundidade e quando chegam ao seu limite, indicam que os pneus devem ser substituídos, tendo em vista que a partir deste momento eles passam a ser considerados como “carecas”, situação esta que influencia diretamente na segurança dos condutores e passageiros dos veículos, além de que se o veículo for alvo de uma fiscalização feita por meio dos órgãos de trânsito o condutor poderá, até mesmo, ser penalizado com multa.

Os TWIs dos pneus são tão importantes que servem até mesmo como auxílio para verificar se os pneus estão sendo desgastados de forma irregular, fatores estes que indicam a necessidade de algum tipo de manutenção preventiva por parte dos condutores, a fim de evitar os desgastes por completo dos pneus, tais como, alinhamento, balanceamento ou calibragem. Agora se os pneus apresentarem anormalidades ou deformações, como por exemplo, bolhas, perfurações ou rasgos estes devem ser substituídos imediatamente.

Então, fica a dica a respeito da substituição, mas se realmente for necessário substituir os pneus do veículo o mais correto é realizar a substituição de todos de uma única vez.

Por Adriano Oliveira

Pneus

Foto: Divulgação


Alguns cuidados podem ser realizados para que, no momento que for vender o carro, a desvalorização não seja tão grande.

Dificilmente alguém vai ficar com o carro a vida toda, pelo contrário, estamos sempre querendo vender o nosso carro para comprar um 0 km ou um modelo mais novo, mas para atingirmos esta nossa meta com maior facilidade, precisamos ficar atentos a alguns detalhes importantes que vão ajudar seu veículo a não desvalorizar tanto.

Claro que com o passar dos anos, os carros que já estão rodando vão se desvalorizando, disso não resta dúvidas, mas podemos conseguir fazer com que esta redução seja bem menor e este cuidado começa na hora que vamos comprar nosso automóvel. Ficando atento à popularidade do modelou e até mesmo à marca, podemos fazer um bom negócio na revenda deste carro, já que muitos modelos não são tão valorizados, assim como algumas marcas não são bem vistas e isso ajuda na desvalorização do veículo na hora da venda. Se você comprar um carro muito caro ou que seja mais difícil de conseguir peças para reposição, com certeza ele terá uma maior desvalorização, então a dica é preferir os modelos mais populares, aqueles que contam com assistência técnica por todo o Brasil e que são de marcas já consagradas.
A conservação do carro é outro fator importantíssimo, pois se você não tomar os devidos cuidados com seu veículo, a desvalorização será enorme. A aparência conta muito, por isso tome sempre muito cuidado com a pintura do veículo, mas só isso não é suficiente, é preciso tomar cuidado também com o interior do carro, os bancos, painel e também com a parte mecânica.

A cada 10 mil km ou menos, leve o carro para o alinhamento e balanceamento, aproveitando para pedir uma revisão completa para ver se tem algo que precisa ser feito com mais urgência.

Fique atento também à conservação do motor, providenciando a troca do óleo no tempo correto, ficando atento ao filtro de combustível, velas do motor e toda a parte elétrica.

Evite deixar o carro exposto ao sol ou ao sereno.

Não deixe também que sujeiras fiquem presas à lataria do veículo, removendo-a sempre, limpando o local e utilize uma cera adequada para dar maior proteção à pintura.

E no mais, é manter os bancos sempre limpos, se preciso até utilize capas para bancos, assim na hora da venda é só retirar estas capas que o carro estará com um ótimo aspecto também na parte interna.

Por Russel





CONTINUE NAVEGANDO: