Suspensão generalizada da fabricação de Veículos no Brasil



Montadoras de veículos no Brasil anunciaram a paralisação temporária de suas atividades no Brasil, por conta da crise do coronavírus.

As montadoras de carros Chevrolet, Honda, Nissan, Renault e Toyota, as fabricantes de caminhões Mercedes-Benz, Scania e Volvo, e a Volkswagen, que produz carros, caminhões e Ônibus, anunciaram o fechamento temporário de suas atividades aqui no Brasil.

Com a atual piora da pandemia, que assola a nossa população e, por consequência, a nossa economia, não só essas empresas, mas tantas outras estão “pedindo socorro”. Com os dados coletados dos últimos dias, tanto de óbitos, como de infectados, fica fácil deduzir que este é o pior momento da até então, decretada, “Estado de Calamidade Pública”.



Diante desta situação, somado ao fato de vários estados imporem uma maior restrição na circulação de pessoas e isolamento social, surgiu o principal argumento para as montadoras paralisarem as suas linhas de produção, que deve durar de 15 a 20 dias.

As justificativas também rodam em torno de ajudar na melhoria da nossa situação sanitária, com a ideia de diminuir a quantidade de pessoas nas ruas e de prevenir contaminações internas.



Outro ponto que leva a paralisação é o fato de que não se consegue colocar os trabalhadores das fábricas em trabalhos chamados “Home Office", uma vez que a intervenção humana ainda é necessária para este processo.

A verdade é que a expectativa na queda das vendas já estava sendo cogitada no ano passado, porém, no final deste período, o setor não demonstrou uma quebra tão brusca como foi mencionado, gerando assim um leve entusiasmo para este ano. Mas este quadro se agravou, com os mais de, infelizmente, 3 mil falecimentos pelo Covis-19 por dia no nosso país.

Leia também:  Toyota Corolla 2018 - Características, Ficha Técnica

Especialistas do setor mencionaram que a pandemia, causando o distanciamento e até o confinamento, não é o único fator para as paralisações, segundo entrevistas dessas pessoas divulgadas na imprensa, outros três fatores tem uma parcela de culpa, a crise, que causa um impacto direto no rendimento daquele consumidor, que acaba gerando uma queda na demanda por carros, por questão fáceis de identificar, o endividamento, e também, por incrível que pareça, a falta de peças no mercado.

Fabricante aqui do Brasil e também de outros países, de peças usadas em diversos segmentos, seja em carro, caminhos ou ônibus, se não reduziram, pararam a sua produção, causando assim um enorme problema no fornecimento de vários itens.

Outro fator a ser levado em consideração é o do setor de semicondutores, que faz o fornecimento dos circuitos digitais para grande parte dos veículos. Com o início da pandemia no ano passado, as empresas automobilísticas deram uma parada na produção e acabaram cancelando alguns pedidos, as empresas desse segmento, para não sofrerem com a crise, focaram os seus produtos no fornecimento para empresas de celulares e videogames, com a volta dos pedidos das montadoras, as empresas desses semicondutores não deram conta de atender aos novos pedidos das montadoras, sem influenciar a produção já contratada pelas outras empresas de tecnologia, em outras palavras, “não deu conta do recado”.

Por ser de um ramo que exige muito investimento e conhecimento, poucas empresas fazem parte desse nicho, as mais conhecidas são a Intel e a AMD. Boa parte da culpa desses atrasos é o aumento na demanda de aparelhos eletrônicos, como já foi mencionado, e também a incerteza do setor automobilístico.

E o problema maior ainda nem é esse, uma vez que outras montadoras, fora do país, também estão esperando esses mesmos semicondutores. Por exemplo, uma empresa automobilística da Europa tem uma importância maior no mercado mundial, do que uma empresa brasileira, ficando assim na frente para o recebimento dessas peças, causando um atraso ainda maior para o nosso mercado.

Leia também:  Renault Sandero - Nova Geração estreia em 2019

Seja como for, vamos ficar na expectativa e cada um na sua fé por dias melhores, esperando que a vida volte ao normal e que demissões em massa não aconteçam.

Por Fernando Dias

Produção de carros no Brasil

Outros Conteúdos Interessantes

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *