Troca do Amortecedor – Quando Fazer? Qual o Custo?




Saiba aqui mais detalhes sobre a manutenção do amortecedor do carro.

Mesmo que algum mecânico ou especialista sugira a troca periódica deste importante, se não fundamental item de segurança do veículo, não existe uma quilometragem exata para sua substituição.

Recomenda-se uma revisão periódica a partir dos 40 mil quilômetros rodados, porém, mesmo assim não é uma receita única para todos os veículos.


A verdade é que a troca vai depender do piso que o veículo roda e da forma de condução do motorista. Há inúmeros exemplos de carros com mais de 100 mil quilômetros rodados com o sistema de suspensão em perfeito estado e outros que rodam principalmente em estradas de terra ou pisos com muitas irregularidades que já sofrem os primeiros sinais de troca antes mesmo dos 50 mil quilômetros.

Entendendo os sinais

O principal sinal que um motorista pode perceber são grandes oscilações de movimento da carroceria tanto em linha reta como também em curvas, a condução do veículo passa a ficar mais difícil de ser realizada.

Há pontos que o desgaste é tanto que o motorista pode perder o controle total do veículo em uma manobra brusca, causando o capotamento do carro ferindo gravemente seus ocupantes.


Fora estes casos extremos é preciso ficar atento nos ruídos metálicos secos, no vazamento de óleo da própria peça e no gradual aumento da distância de paradas do carro através da frenagem, todos estes sinais são evidências claras do desgaste da peça.

Lojas especializadas também utilizam um aparelho chamado Shocktester, que consegue medir com maior precisão o estado atual dos amortecedores do veículo em comparação com um novo em perfeito estado.

Mesmo com todas estas recomendações nada melhor que o próprio motorista para perceber os comportamentos adversos do automóvel em suas diversas condições de uso e visitar seu mecânico de confiança ao menor sinal de mudança.

Fazer revisões periódicas é fundamental

São através das revisões que é possível detectar o degaste prematuro das peças, incluindo as partes da suspensão e seus amortecedores, mesmo assimilando que os amortecedores não estão em bom estado, não significa que somente a troca do par será suficiente.

Muitas vezes todo o conjunto merece atenção como os braços das suspensões, as buchas e as bandejas, peças que integram todo o sistema e podem afetar indiretamente o seu funcionamento.

Quanto custa?

Vai depender do modelo do veículo, seu ano de fabricação e principalmente da sofisticação e porte, como exemplo citamos os amortecedores do antigo popular da Chevrolet, o compacto Celta, realizando uma boa pesquisa é possível encontrar o par por preços bem acessíveis, em torno de R$ 250,00 em lojas especializadas.

Bem diferente de veículos maiores, como Honda Civic com preços a partir de R$ 800,00, dependendo do ano.

Existe casos de amortecedores que podem passar dos R$ 10 mil para carros de grande porte e importados de luxo, geralmente estas peças são importadas e precisam ser encomendadas devido à falta de sua disponibilidade na rede autorizada.

Cuidado com os recondicionados

A tentação pode ser grande na hora de escolher entre uma peça nova e outra recondicionada, principalmente pelo preço, mesmo assim aconselhamos a resistir e não comprar.

Amortecedores recondicionados são perigosos não só pelo risco do reaproveitamento das peças como pelo uso interno de um óleo não original e não recomendado pela montadora que fabricou o veículo, está combinação pode prejudicar todo o funcionamento do conjunto de suspensão e durabilidade da peça.

Por isto é importante pesquisar bastante na hora compra, comparar orçamentos e diagnósticos de várias oficinas e se necessário se certificar da originalidade e procedência da peça, evitando problemas na segurança da sua condução.

A vida do motorista e dos passageiros agradecem sinceramente.

Autor: Carlos B.



Quer deixar um comentário?

Seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *