Seguradoras Suspendem Venda de Seguros de Carros no Rio de Janeiro



Atualização:

A Tokio Marine entrou em contato com nossa redação e ressaltou que a informação de que parou de vender seguros de carros no Rio de Janeiro é inverídica. A seguradora continua comercializando seus produtos no estado.

Confira o comunicado da empresa na íntegra.



A violência fez com que as seguradoras suspendessem por tempo indeterminado a venda de seguros de carros na cidade do Rio de Janeiro.

A violência no Rio de Janeiro atingiu um patamar tão elevado que as seguradoras se viram obrigadas a suspender a venda de seguro de carro, deixando muitos consumidores desesperados e não há previsão de quando isto irá mudar. Muitos contratos de seguros de carga precisaram ser renegociados, pois as empresas alegam que estão tendo um prejuízo muito grande e já avisaram que não vão aceitar novas apólices, mas só para o Rio de Janeiro, para o restante do país tudo continua como era antes.

Outra mudança que está sendo feita pelas seguradoras é em relação aos seguros de carros. Mapfre e BNP Paribas Cardif já encaminharam um aviso a todos os corretores de seguros, informando que todos os veículos que são do Rio de Janeiro não estão mais elegíveis para contar com um seguro de automóveis. A notícia caiu como uma bomba, tanto para os corretores como também para os proprietários.



No aviso de uma das seguradoras diz que até os veículos do Rio que já têm seguro, serão cancelados, a não ser aqueles que contam com renovação automática, pois nestes casos não há o que fazer. Os corretores estão sendo orientados a recusarem a renovação dos seguros de veículos para a ‘cidade maravilhosa’.

Leia também:  Subaru WRX e WRX STI foram lançados no Brasil

O motivo alegado pelas seguradoras é que as taxas de sinistralidade está altíssima e será preciso conter isto de alguma forma. A Ituran, empresa que atua na área de monitoramento de veículos, também tomou uma decisão drástica e agora só vai atender os motoristas do Uber, mas isto também vale só para o Rio de Janeiro, em São Paulo, por exemplo, a empresa segue atendendo normalmente, sem nenhuma alteração.

As seguradoras estão fazendo questão de ressaltar que tal decisão é temporária, entretanto, nenhuma estipulou um prazo para esta nova decisão chegar ao fim. A BNP Paribas Cardif disse apenas que as coisas vão normalizar assim que a violência no estado melhorar, ou seja, colocou a responsabilidade no governo, alegando que agora não depende mais da empresa e sim, das autoridades competentes. O que as seguradoras estão querendo mostrar é que elas são vítimas da situação, assim como a população como um todo e da mesma forma que as pessoas procuram se proteger, estas empresas também precisam agir para conseguirem encontrar uma forma de se manter no mercado, pois alegam que do jeito que está, elas fecharão as portas em pouco tempo.

E será que compensa fazer um seguro nas empresas que não estão com esta restrição? Isto vai depender muito, pois no Rio são roubados 150 carros todos os dias e o preço do seguro disparou. Em setembro de 2016 o valor para o seguro de um determinado veículo era de R$ 2.200,00. Hoje, este mesmo veículo tem o seguro no valor de R$ 5.200,00 e a tendência é que o preço aumente ainda mais. O aumento passa dos 130% e assusta os proprietários de veículos, principalmente aqueles que utilizam o automóvel todos os dias e sabem que ficar sem seguro é muito arriscado.

Leia também:  Seguro de Carro x Proteção Veicular - Cuidados na Contratação do Serviço

O ISP – Instituto de Segurança Pública, divulgou recentemente um relatório informando que só neste ano foram mais de 45 mil veículos roubados, ou seja, a cada dez minutos tem um carro sendo roubado, um número alarmante.

E a crise na segurança faz com que as seguradoras tomem decisões que afetam diretamente o segurado. Só que desta vez, o problema é muito mais preocupante, pois em alguns casos, nem se quiser pagar caro o proprietário consegue um seguro para o seu veículo. Diante deste cenário, cada seguradora vai adotando novas estratégias, mas chegou a um ponto que não há saída, a não ser suspender novos contratos, por tempo indeterminado. Não resta nada a ser feito pela população, a não ser esperar e torcer para que as coisas melhorem.

Por Russel

Seguro carro

Outros Conteúdos Interessantes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *