Dicas de Como Escolher um Carro

  

  

Confira aqui algumas dicas e cuidados que você deve ter antes de escolher o seu carro.

Confira a seguir algumas dicas práticas e úteis que devem ser levadas em consideração ao comprar um carro.

Motor

Muitas pessoas ignoram o fator motor em um carro. Não falo sobre marca, tampouco estado, quando me refiro ao motor digo sobre a potência real do veículo. São muitos os casos de pessoas insatisfeitas com o desempenho de seus carros ao passar dos dias. Seja em uma simples arrancada em um semáforo ou durante uma meia embreagem em algum morro íngreme.


Em decorrência de “baixo desempenho”, os donos dos veículos recorrem a medidas que hoje estão se tornando cada vez mais comum nos carros. Para os com motores mais fortes já com certa idade, à aspiração se torna um método eficaz e sem perda de qualidade para o automóvel. Outros preferem chips de potência que se ligam a central do carro alterando a potência do veículo, adicionando alguns cavalos de potência. Por fim, creio que a saída mais eficaz, mesmo que menos em conta seria turbinar o veículo. Mesmo que o “espirro” da turbina lhe incomode, basta ajustar a válvula de pressão que o carro turbo volta a ter o ronco comum. Vale a pena ressaltar que ele irá consumir menos combustível, dependendo da pressão da turbina. Para turbinar um carro deve-se levar em conta não apenas a turbina que será utilizada, mas sim a preparação total: bielas, válvulas de comando, embreagem, sistema de ignição, cabeçote, entre tantas outras características. Com uma “turbinada” bem feita, um carro pode chegar a ter um ganho real de mais de 200 cavalos de potência.

Para pessoas que viajam ou pegam bastante estrada, essa dica é essencial. Se você gosta da liberdade das estradas, considere um carro mais potente que um 1.0. Por mais que você se considere um motorista com “braço” para dirigir, em uma ultrapassagem em que exige mais torque de seu carro, você pode muitas vezes ficar no “meio do caminho”, trazendo um risco para você, os passageiros e outros motoristas. Carros 1.8 costumam ter um desempenho excelente e um consumo moderado, sem pesar tanto no bolso.

Consumo

Se você é daqueles que gosta de um bom torque, mas fica receoso com o consumo e o preço altíssimo da gasolina, você não é pão duro. Tenha em mente sempre economia, por mais que goste de carros fortes. Aqui vai uma dica: Não acredite no que um amigo de um filho de seu primo de 9º grau disse sobre o carro. Cada um tem uma experiência diferente e cada um dirige ao seu modo. Não julgue carros antigos pela fama de beberrões. Alguns donos alegam que o Omega CD 4.1 1997 pode fazer até 8km/l na cidade, o mesmo que o HB20 1.6 2014 rodando no álcool. Então deixo claro, o seu melhor aliado é uma boa pesquisa, mas pesquisa de usuários do dia a dia. Converse com donos do mesmo modelo em que você está interessado, participe de fóruns, pergunte no Yahoo. Faça da internet sua bússola.

  

Se você quer consumo baixo, prefira versões manuais. Carros automáticos tem seu próprio sistema de troca de marchas, você não regula o tempo, por isso demoram mais para cortar giro. Carros manuais estão à mercê de seus comandos.

Se um tio seu lhe disse: “Quando o carro estiver em uma descida, desengate para ele pegar embalo e não precisar gastar tanto combustível”, digo à vocês, principalmente os inexperientes, essa é uma prática perigosa, pois o carro está totalmente sem controle, acredite ou não. Pode reparar que o conta giro não alerta rotações no motor, o que indica que você é uma pedra rolando morro abaixo. Para frenagens, se o carro estiver em alta velocidade ou com freios ruins, é quase certo que ocorrerá algum acidente. Qualquer desvio na estrada te fará alterar a rota, o que sem o atrito dos pneus te fará quicar de um lado para o outro. Existem formas mais práticas de se fazer economia em seu veículo, como por exemplo, evitar reduções de marchas desnecessárias, pois isso faz o carro beber bastante. Outra dica é andar sempre com o giro no máximo em 3 mil rotações por minutos (RPM), pois dessa forma o carro irá se esforçar menos para um rendimento não necessário.

Custo Beneficio

Talvez um dos principais quesitos a se analisar na compra de um carro, o custo benefício traz consigo traços como: valor de revenda, preço de peças e seguro.

1. Valor de Revenda: Com o mercado atual totalmente instável, é de suma importância entender a flutuação dos preços dos veículos, afinal, você não vai ficar com ele para sempre. Um carro comprado por R$ 180.000 após um ano pode desvalorizar até R$100.000, ainda mais em uma economia com variações tão absurdas quanto à brasileira. Carros com manutenção cara geralmente são descartados por compradores. Um bom exemplo seria o Ford Edge, que mesmo sendo tão "bruto" pode se tornar uma dor de cabeça para seus donos durante revisões.

2. Preço de Peças: Procure sempre carros com procedência nacional, montadoras e distribuidoras com lojas no Brasil. Se você não sabe como importar peças, essa dica se torna crucial para um bom relacionamento entre homem e máquina. Faça pesquisa, pois nem sempre marcas pouco conhecidas têm uma mecânica cara, como o Daewoo Espero, carro com a mecânica bastante parecida com a do Chevrolet Vectra. Pesquise sobre "carros irmãos", são aqueles veículos com a mesma base, construído com as mesmas peças, então basicamente tem o mesmo preço de conserto.

3. Seguro: Para um lugar como o Brasil, o seguro é imprescindível, pois ninguém está livre de nada. Mais uma vez gosto de lembrar: Não vá pela experiência dos seus amigos, familiares e terceiros. Se o seu amigo paga R$ 15.000 no seguro do Gol ‘Quadrado’ dele, isso mostra que ele não soube pesquisar. Nunca pague mais de R$ 2.000 em um seguro. Muitas pessoas pagam por valores exorbitantes por procurarem por seguradoras de âmbito nacional e internacional, mas procure bem por empresas do seu estado, região ou até mesmo cidade. Veja a procedência e poupe com despesas tolas.

Saiba o que você quer:

Não compre um carro pelo simples prazer de comprar (a não ser que você possa fazer isso). Saiba que carros trazem alegrias, tristezas e principalmente dores de cabeça. Tenha em mente de que você não terá apenas bons momentos com seu carro, por isso é de suma importância você ter afinidade com seu veículo.

Escolha um modelo que lhe sirva, de todas as maneiras possíveis e da melhor forma, sem nunca te deixar na mão.

Saiba escolher a cor! Essa dica é valiosíssima, já que é basicamente como uma tatuagem, é perpétuo.

Procure conforto, pois não há nada pior que um banco duro como pedra durante um trecho de 400km ou usar um carro que mais parece uma tábua sobre rodas todo santo dia.

Se deixe apaixonar pelo carro! Quando você tem consciência de como um carro lhe serve bem e que te livra de pegar conduções lotadas todos os dias, irá ver que o seu veículo tem um significado especial para você.

Não se importe com que os outros digam: “Ele é pequeno”, “É velho”, “É beberrão”, “É feio”. Você comprou o carro para você e não para critério dos outros, tenha sempre isso em mente.

Essas foram algumas dicas de como escolher um carro. Pesquise bem antes de comprar e veja o modelo que se adeque a sua vida.

Por Wendel Dias Quaresma

Quer deixar um comentário?

Seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *