Preço sugerido no Brasil parte de R$ 309.900.

A Mercedes-Benz chega bastante forte para o mercado em 2016, haja vista o seu mais recente lançamento: trata-se do novo C450 AMG 4MATIC, um dos automóveis da linha de alta performance da montadora. Com muita tecnologia e um motor bastante potente, o novo lançamento da Mercedes deve agradar bastante aqueles que amam velocidade e modernidade. O mais novo lançamento da Mercedes já se encontra disponível nas concessionárias da montadora em todo o país. O preço sugerido do C450 parte de R$ 309.900.

Um dos principais destaques desse lançamento é o conjunto mecânico, pois o C450 conta com um V6 de 3 litros com 367 cv de potência. Trata-se de um motor um pouco abaixo de C63 AMG, no entanto, segundo a própria Mercedes, o C450 dispõe de muitos componentes provenientes do modelo V8 como, por exemplo, suspensão AMG Ride Control e a tração integral nas quatro rodas 4MATIC. O motor é associado à transmissão automática com sete velocidades.

Além disso, saiba que o motor V6 de 3 litros com muitos avanços tecnológicos. Um dos principais destaques é, sem sombra de dúvidas, a alteração da pressão do compressor, dessa forma, possibilitando os 36 cv de potência e 53 kgfm. A Mercedes também informa que o C450 consegue acelerar de 0 a 100 km/h em 4,9 segundos.

E se você é desse que dirige o seu automóvel em ambientes totalmente distintos, não se preocupe, pois o C450 dispõe de opção para ajuste de condução através das seguintes opções: Eco, Comfort, Sport, Sport+ e Individual. Através destas opções, serão regulados: parâmetros da suspensão, direção, transmissão e do motor de modo que tais configurações se adaptem ao referido ambiente.

O novo sedan da Mercedes se destaca bastante quando assunto é o seu visual. O mesmo conta com elementos de estilo fortemente baseados no pacote de equipamentos AMG Line. As laterais possuem aberturas de ar com bordas defletoras que além de serem visualmente bonitas também melhoras o índice de arrasto aerodinâmico do automóvel.

Por Bruno Henrique

Mercedes-Benz C450 AMG 4MATIC

Mercedes-Benz C450 AMG 4MATIC

Mercedes-Benz C450 AMG 4MATIC

Fotos: Divulgação


Novo modelo será produzido no Brasil e começará a ser vendido em março de 2016.

De acordo com o presidente interino da Chery, Luis Cury, a nova geração do modelo QQ terá o início de suas vendas em março de 2016. A notícia foi dada durante um evento de encerramento do ano. O novo QQ terá a sua produção feita no Brasil, assim como os modelos Celer Hatch e o Celer Sedan.

Ainda de acordo com Cury, o preço da nova geração do QQ não poderá ser menor que R$ 30 mil. No segundo semestre do ano que vem, a marca também dará início às vendas do Tiggo 5 nacional, que é o SUV da Chery. Para esse modelo haverá uma versão do mesmo com 07 lugares.

O presidente interino da marca também anunciou, sem dar nomes, que já foi definido outro representante da Chery no Brasil em 2016. Fontes que são ligadas à marca apontam que o ano que vem terá os lançamentos do Tiggo 5 e Tiggo 3. O modelo Tiggo 1 ficará para 2017. A fabricação dos automóveis acontecerá na planta de Jacareí, em São Paulo.

O intuito da Chery é finalizar o ano de 2016 com 10 mil unidades produzidas, sendo que esse número é praticamente o dobro do que a marca produziu neste ano. Cury comentou que, no mínimo, dois modelos serão submetidos para o crash-test do Latin NCAP do ano que vem. São eles: o QQ e o Celer. Isso é importante, uma vez que a questão da segurança é algo que ainda preocupa quando se fala em carros chineses.

Cherry atual:

Foi no dia 22 de abril que a Chery começou a vendas do modelo atual do QQ no mercado nacional. O automóvel compacto teve uma renovação completa. Ele foi importado da China até o segundo semestre deste ano de 2015, quando foi iniciada a fabricação na planta de Jacareí.

O QQ vem sendo vendido em duas versões. A Look tem o custo de R$ 31.990 e conta com vidros elétricos dianteiros, ar-condicionado, direção hidráulica, freios ABS, airbag duplo e som com entrada USB.

A versão Act é comercializada por R$ 33.990. Os itens adicionais são as rodas de liga leve aro 14, sensor de estacionamento, vidros elétricos também traseiros, CD player com MP3, retrovisores elétricos, entre outros. 

Chery QQ 2016

Chery QQ 2016

Fotos: Divulgação


Financiamento de carros novos teve recuo de 22,1% e de carros usados, o recuo foi de 1,6%.

Muitos já sabem que o atual cenário econômico do Brasil vem trazendo consequências negativas para diversos setores da economia em si. Um dos setores mais prejudicados em 2015 é, sem sombra de dúvidas, o automotivo. Um grande exemplo foi o dado divulgado pela Unidade de Financiamentos da Cetip na quarta-feira, 15 de julho. Através da notícia foi informado que os financiamentos de veículos em 2015 somaram 2.712.050 unidades. Com isso, considerando o primeiro semestre de 2014, o ano de 2015 apresenta um recuo de 10,6%.

Em relação ao número total de financiamentos, 1.216.449 são referentes a unidades novas e 1.495.601 são provenientes de unidades usadas. Apesar dos 10,6% de recuo informado no início desta matéria, saiba que o resultado é ainda pior quando consideramos os financiamentos de automóveis leves e novos, a principal categoria. Levando em consideração apenas os números da referida categoria, o recuo em 2015 é de 22,1%. Já em relação aos autos leves usados, o recuo apresentado é de 1,6% na comparação com o primeiro semestre de 2014.

Além disso, também foi feita uma comparação entre o mês de junho de 2014 e junho de 2015. Em junho de 2015 foram registrados 444.387 financiamentos. Esse número representa uma queda de 3,8% quando a comparação é feita com o mesmo mês em 2014. A base de tais números foram os automóveis de passeio, comerciais leves, motos e pesados.

Os números são ainda piores quando a comparação é feita apenas com os autos leves. Em junho de 2015, a categoria citada conseguiu registrar 120.083 unidades financiadas, ou seja, uma queda de 20,2% em relação a junho de 2014. O principal destaque positivo foi a categoria de carros usados que atingiu 226.273 unidades financiadas, dessa forma, registrando aumento de 6,9% em relação ao mesmo período em 2014.

Uma das categorias que vinha crescendo bastante durante os últimos anos era o das motocicletas novas. Porém, no primeiro semestre de 2015 essa categoria apresentou um recuo de 8,7%, haja vista as 431.410 unidades financiadas. Em contrapartida, as motos usadas conseguiram alta de 1,4%.

Por Bruno Henrique

Financiamento de carros

Foto: Divulgação


Nova lei estabelece que empresas revendedoras de veículos deverão fornecer uma ficha completa do veículo antes de realizar a venda. Ou seja, qualquer irregularidade que impeça o comprador de circular normalmente com o veículo deverá constar na ficha.

Fique atento se você está pensando em comprar um automóvel, a Lei 13.111, que estabelece novas regras e normas para a compra de veículos novos e usados entrou em vigor na última segunda-feira (25).  Ela obriga as empresas a darem uma ficha completa do veículo antes de se realizar a venda, isso significa que qualquer irregularidade como multas, impostos devidos e até mesmo furto que o carro possa ter e que impossibilite o comprador de circular normalmente com o veículo, terá que constar na ficha.

Seja o carro usado ou novo, a ficha também deverá contar com os impostos incidentes do veículo, o que vai permitir ao comprador saber o valor do veículo sem os impostos, que na prática significa quanto você está pagando só de impostos, o que te dá mais opções de economizar na hora de comprar.

A lei sancionada pela presidente Dilma Rousseff no mês de março, é válida para todos os empresários que vendem veículos, sejam eles caminhões, motos, ônibus ou carros. Além disso, a empresa também deverá arcar com todas as eventuais despesas dos carros que venderem até o momento da compra, isso significa que multas e taxas ou impostos atrasados, devem ser pagos exclusivamente pela empresa.

Caso seja descoberto que o carro adquirido é fruto de roubo, a empresa fica obrigada a devolver para o comprador todo o valor já pago. A lei não é válida para venda de carros feita entre pessoas físicas.

Apesar da rigidez da lei, já foram registradas 10 revendas de veículos que não cumpriram com essa lei, segundo o Procon de Porto Alegre. Já no estado do Pará, o Procon de Santarém, realizou uma campanha com o intuito de conscientizar e esclarecer a nova lei aos empresários e comerciantes.

Fique atento na hora de comprar um veículo usado ou novo, essa nova lei vai te dar uma dimensão maior sobre o histórico do carro, além de te dar mais possibilidades de economia.

Por Tom Vitor de Freitas

Venda de carros

Foto: Divulgação


Entre janeiro e abril deste ano houve uma queda de 20,1% nas vendas de veículos importados no Brasil. Isso indica que a classe mais abastada do País também está sofrendo com a crise econômica.

Quem pensa que a crise financeira atingiu apenas o mercado de produção interna no Brasil, se engana, pois acabou de sair mais uma notícia para deixar os brasileiros preocupados: agora até a venda de veículos importados sofreu uma queda, mostrando que até a classe mais abastada da sociedade sofre com a instabilidade econômica.

Segundo dados divulgados pela ABEIFA (Associação Brasileira das Empresas Importadoras e Fabricantes de Veículos Automotores), houve uma queda de 20,1% nas vendas dos importados entre janeiro e abril de 2015, se comparado com o mesmo período do ano passado.

O levantamento envolveu os dados das 28 marcas associadas à ABEIFA, e mostram que nesse período de 2015, foram realizados 26.889 emplacamentos. Não é um número tão baixo, porém se comparado ao mesmo período de 2014 é preocupante, pois no ano passado esse número foi de 33.659 emplacamentos.

Em um apanhado geral, apenas 8 das 28 marcas tiveram alta em suas vendas: Dodge, Changan, Jeep, Jaguar, Lifan, Lamborghini, Volvo e Rolls-Royce. O pior desempenho entre todas ficou com a RAM, que não vendeu nenhum automóvel este ano, por enquanto. Em 2014, a marca chegou a comercializar 262 unidades. Isso representa uma baixa de 100% para a marca.

Apesar de tudo, essa baixa em geral no mercado de importados já era esperado, devido à crise geral que vive o país. Segundo o próprio presidente da ABEIFA, Marcel Visconde, a instituição já trabalha com percentuais previsíveis mais baixos, exatamente para não ser pega de surpresa pela variação econômica. Marcel ainda confirma que também já espera que o mercado siga essa tendência para os próximos meses, caso o Congresso não adote as medidas necessárias para a recuperação da economia.

A montadora que mais sofreu variação em suas vendas foi a Kia Motors, que em abril de 2014 vendeu 2.300 unidades no Brasil, e em abril de 2015 foram apenas 1.284 unidades comercializadas.

Por Felipe Villares

Veículos importados

Foto: Divulgação





CONTINUE NAVEGANDO: